Lifestyle

O vilão mais cruel da sua alimentação

Todos aqui já ouviram falar dos males dos refrigerantes, e a maioria conhece argumentos que vão muito além do “dá celulite” que sempre se manifestou contra a coca-cola. Pois bem. Não falo aqui como uma médica com mestrado no assunto, nem como um químico que já trabalhou em fábrica de gasosas. Falo como uma pessoa apaixonada por coca-cola que, pela primeira vez, está determinada a largar este vício. Sou como uma futura ex-fumante. Vem comigo!

Primeiro, as motivações básicas

Tudo começa com estética. Todos nós queremos emagrecer, sempre, todos nós. Então cortar uma bebida com índices astronômicos de açúcar é uma medida que já começa com este apelo dignissímo. E imaginar um corpo sem celulite então, quer mais que isso?

Pois eu te dou mais que isso. Mais de 10% de uma lata de coca-cola é composta por açúcar puro. Deixe a gordurinha e as cáries pra lá e pense em como isso pode afetar sua saúde. Este nível altíssimo de açúcar no seu sangue força um jorro de insulina, o que faz com que seu fígado responda transformando esse açúcar em excesso em gordura, ao mesmo tempo em que o corpo libera mais dopamina, o que estimula os centros de prazer do corpo (daí o vício).

Os males do açúcar não são novidade, mas o problema vai além. Pra você ser capaz de ingerir tanto açúcar, é preciso adicionar doses altas de sal e de ácido fosfórico. O que causa desde gastrites até aceleração do metabolismo – o que pode ser problemático se aliado à cafeína dos refrigerantes de cola. Ah, sim, a cafeína: aumenta a eliminação de cálcio, magnésio e zinco pela urina, então além de você absorver o açúcar que não precisa, ainda põe pra fora minerais importantes.

A situação é ainda pior no caso do refrigerante diet que, por possuir aspartame e outros adoçantes que têm baixa durabilidade, conta com uma infinidade de produtos químicos que evitam que ele estrague, ou fique com gosto diferente, ou coloração diferente. Aí seu drink vira um coquetel molotov.

Como fazer a mudança

Apesar de todos esses componentes químicos que tornam a dependência da coca-cola um vício comparável à heroína, pode acreditar que a maior parte disso está é na sua cabeça. Toda mudança na vida parte daí, e toda mudança implica em quebrar um costume que, no fundo no fundo, você nem sabe se é o que você realmente queria. Mas é o que você sempre fez, não?

Com o refrigerante talvez não seja tão diferente. Por muito tempo, eu sempre pedia uma lata de coca-cola em restaurantes, apesar de adorar água de coco, chá feel good de lichia e um bom e velho suco de laranja. A-do-ro. Mas eles nunca me vinham à cabeça, coca é tão óbvio.

Acho que aí está o caminho: redescobrir prazeres, gostos, e dar uma chance a mais pra eles. Isso tem funcionado tanto que, desde que redescobri o suco de tomate, não tenho conseguido pedir outra coisa em restaurantes que servem a iguaria. Não me julgue – um suco de tomate bem temperado, acompanhado de um copo de água, é um manjar divino infinitamente superior à coca-cola. Olha só que frase mais digna de reabiliada!!

Claro que há situações em que isso é mais difícil. Quando você vai em uma pizzaria, por exemplo, ou precisa de algo para acompanhar a pipoca do cinema. Tem hábitos que são tão, mas tão habituais, que qualquer outra alternativa parece bizarra. Tipo pizza com suco. É aí que entra a moderação, o que tende a ser mais eficiente do que uma mudança radical. Melhor se for gradual, pra você ir tirando o refri aos poucos da alimentação até não sentir mais falta dele.

Vamos tentar juntos?

Facebook Comments

Comments 3

  1. #jádiziaoseunutricionista…..

    Responder
  2. […] disse nesse post que refrigerante é muito pior que o pão que o diabo amassou. Porque foi a indústria de aditivos […]

    Responder

Deixe um comentário